Hérnia de Disco Cervical

Existem diversas cirurgias para o tratamento da hérnia de disco. O que o paciente deve saber antes de operar a coluna é que nem sempre a cirurgia é necessária!

É sugerido ao paciente que procure a avaliação de mais de um especialista no assunto, inclusive, em diferentes áreas de atuação, como:

  • Neurocirurgião
  • Fisiatra
  • Médico de Dor.

Um exame de rotina mostrar HÉRNIA DE DISCO na coluna é comum e pode ser normal!

O envelhecimento da coluna vertebral é algo natural não só nos seres humanos, mas também em animais.
Estima-se que cerca de 30% das pessoas com mais de 35 anos de idade apresentam hérnia de disco na coluna; e após os 65 anos, quase 100%!

O fato de haver hérnia de disco na coluna não significa que seja necessário tratar ou operar. Pode ser um processo natural do corpo sem prejuízo na vida cotidiana. Nada pode ser generalizado, existem casos extremamente graves relacionados com hérnias de disco.

O tratamento cirúrgico fica reservado para hérnias sintomáticas, que comprimem estruturas nervosas, como os nervos ou a medula, gerando déficit neurológico ou dor limitante.

Quais são os sinais de alarme para a dor nas costas (motivo para procurar um especialista) ?

  1. Dor que piora à noite
  2. Emagrecimento
  3. Febre
  4. Dor persistente por mais de 3 meses
  5. Dor que não melhorou após o tratamento correto
  6. Dor incapacitante - intolerável
  7. Diminuição de força ou dormência em uma região do corpo, como pé caído
  8. Ter tratado câncer no passado
  9. Osteoporose com dor nas costas
  10. História de traumatismo (queda ou impacto)
  11. Dor nos extremos de idade (crianças ou maiores de 65 anos)
  12. Perda de controle de micção ou evacuação (requer pronto-socorro)
  13. Uso de corticoesteróides
  14. Doenças crônicas como Lupus, doenças reumáticas, imunodeficiências
  15. Aparecimento de deformidade na coluna

As principais cirurgias para tratamento da hérnia de disco cervical são:

1) Microdiscectomia Cervical

Consiste em cirurgia microscópica que visa a retirada da hérnia, realizada por via anterior (ou seja, pela região do pescoço). Com a retirada do disco doente e descompressão do canal cervical é necessário realização de artrodese nesse nível, ou seja, esse disco doente deixa de exercer a função de "amortecedor" e o corpo vertebral é fundido ao corpo adjacente, passando a ser uma estrutura só.

Pode ser realizada até em 4 níveis por via anterior. As principais complicações são: dificuldade para engolir (costuma durar 3 a 5 dias com melhora), rouquidão na voz (geralmente por manipulação do nervo laringeo superior - dura em geral até 1 semana - pode ser realizada monitorização desse nervo durante a cirurgia para evitar sua lesão e minimizar sua manipulação), dor cervical posterior (muscular). As complicações graves nesse tipo de cirurgia incluem déficits neurológicos que podem ser termporários ou permanentes.

2) Laminectomia Cervical

Consiste em descompressão do canal vertebral cervical por via posterior, sem necessidade de manipulação dos discos intervertebrais.

Pode ser realizada juntamente com artrodese da coluna (fixação com parafusos e hastes) a depender do grau de instabilidade.

3) Laminoplastia Cervical Posterior

Consiste na ampliação do canal vertebral, sem retirada da parte óssea posterior. Existem duas técnicas para a laminoplastia: livro aberto (ampliação do canal pelo meio da coluna) e porta aberta (ampliação do canal pela lateral). Não é necessário fusão das vertebras, mas é necessário dispositivo para manter o canal aberto.

4) Tratamento da dor

Para tratar a dor, existem outros diversos procedimentos que estão citados na categoria CIRURGIAS>DOR.